deslumbro-me de imenso

O abismo


Com a sua pele de poço, 
pele comprometida com o medo que no fundo fede e a que,
digamos,toda ela adere de uma forma resoluta,
dir-se-ia que se engancha, se pendura,
o branco da memória a alastrar pelo corpo,
um branco tão branco como o das noites em branco 
e sobre o qual a idade, exorbitada, hiante, se insinua, 
pensos, ligaduras, impregnados de memória, 
uma memória onde fulgura a lava dos sentidos que entram 
em actividade e lhe disputam os dias idos,
assim ergue a balança,onde sustém o abismo. 

- Luís Miguel Nava (1957 - 1995)

— 1 week ago
#poesia 

Florilegium by Alexander Marshal c.1680

— 1 week ago with 1 note
#botanical illustration 

Que as barcaças do Tempo me devolvam
A primitiva urna de palavras.
Que me devolvam a ti e o teu rosto
Como desde sempre o conheci: pungente
Mas cintilando de vida, renovado
Como se o sol e o rosto caminhassem
Porque vinha de um a luz do outro.

Que me devolvam a noite, o espaço
De me sentir tão vasta e pertencida
Como se as águas e madeiras de todas as barcaças
Se fizessem matéria rediviva, adolescência e mito.

Que eu te devolva a fome do meu primeiro grito.

[Hilda Hilst in Amavisse, 1989]

— 2 weeks ago
#poesia  #hilda hilst 
margadirube:

lucienballard:l’été Poema-cuadro Joan Miró 1927

margadirube:

lucienballard:l’été Poema-cuadro Joan Miró 1927

(via largerloves)

— 2 weeks ago with 476 notes
#juan miro 

Picasso e Lump 

— 1 month ago
#picasso 
Body/Sculpture 1972

Body/Sculpture 1972

— 1 month ago
#hans breder 

UM HOMEM E SUA VIDA (Yehuda Amichai -Tradução de Shlomit Keren Stein e Nuno Guerreiro)

Não. Um homem não tem tempo na sua vida
para ter tempo para tudo.

Não tem momentos que cheguem para ter
momentos para todos os propósitos.

O Eclesiastes está enganado acerca disto.
Não há o tempo de amar e o tempo de odiar.

Um homem precisa amar e odiar no mesmo instante,
rir e chorar com os mesmos olhos,

com as mesmas mãos atirar e juntar pedras,
fazer amor durante a guerra e guerra durante o amor.

E odiar e perdoar e lembrar e esquecer,
planejar e confundir, e comer e digerir
o que a História necessita de anos para fazer.

Um homem não tem tempo.
Quando perde procura, quando encontra esquece, 
quando esquece ama, quando ama começa a esquecer.

E a sua alma é erudita, a sua alma
é profissional.

Só o seu corpo permanece sempre
um amador.

Tenta e falha,
fica confuso, não aprende nada,

embriagado e cego nos seus prazeres
e nas suas mágoas.

Morrerá como um figo morre no Outono,
Enrugado e cheio de si e doce,

as folhas secando no chão,
os ramos nus apontando para o lugar

onde há tempo 
para tudo.

— 2 months ago with 1 note
#yehuda amichai  #poesia 

Amantes, vocês que se bastam um no outro, 
e conhecem a satisfação, 
a vocês eu pergunto: quem somos nós?

Vocês que avançam um contra o outro
E crescem no êxtase um do outro até ao ponto 
em que – subjugado – um implore: “chega!”;

vocês que sob as mãos um do outro 
se tornam mais abundantes do que 
a colheita de uvas de um ano bom,

vocês que às vezes até desfalecem 
quando o outro é tomado por um excesso:
a vocês eu pergunto: quem somos nós?

Eu sei: se tamanha é a felicidade para vocês, 
quando um do outro se aproxima,
é porque as carícias preservam,

e o lugar acariciado não desaparece nunca mais,
e no fundo disso está, vocês pressentem, o puro durar. 
Assim o que o abraço de vocês promete é quase a eternidade.

E contudo, uma vez vencido o susto dos primeiros olhares
e essa ansiosa espera à janela e o primeiro passeio juntos no jardim:
ainda são vocês mesmos?

Ou quando um ao outro vocês se levam à boca 
e se bebem gole a gole
será que o que é bebido não desaparece?

Não escapa 
o bebedor 
na coisa bebida?

— 3 months ago
#rilke  #rainer maria rilke 
dive for dreams - e.e. cummings

mergulha nos sonhos
ou um lema pode derrubar-te
(as árvores são as suas raízes
e o vento é o vento)

confia no teu coração
se os mares se incendeiam
(e vive pelo amor
embora as estrelas desandem)

honra o passado
mas acolhe o futuro
(e afasta a tua morte no bailado
deste casamento)

não te importes com um mundo
de vilões ou de heróis
(pois deus gosta de garotas
e do amanhã e da terra)
apesar de tudo quanto
respira e mexe (…)

-

dive for dreams
or a slogan may topple you
(trees are their roots
and wind is wind)

trust your heart
if the seas catch fire
(and live by love
although the stars
walk backward)

honour the past
but welcome the future
(and dance your death
away at the wedding)

never mind a world
with its villains or heroes
(for god likes girls
and tomorrow and
earth)

in spite of everything
which breathes and moves (…)

— 4 months ago
#e.e. cummings  #dive for dreams 
"Há qualquer coisa de longínquo em mim neste momento. Estou de fato à varanda da vida, mas não é bem desta vida. Sou todo eu uma vaga saudade, nem do passado, nem do futuro: sou uma saudade do presente, anônima, prolixa e incompreendida."
Livro do Desassossego, Fernando Pessoa. (via oxigenio-dapalavra)

(via teatimedogs)

— 6 months ago with 1196 notes